sexta-feira, 5 de maio de 2017

Um dia e até lá

Um dia eu vou estar lá e você também. Num lugar qualquer, sem importância, sem motivo, sem querer.

Ou, talvez, eu planeje estar lá, você planeje estar lá. Num lugar comum para nós dois, ou num lugar qualquer para qualquer de nós. Um dia estaremos lá.


Não sei bem qual será a minha reação, ou a sua mas, com certeza reagiremos. Nós sempre reagimos um ao outro. Nem sempre de maneira positiva - o que é uma pena já que tínhamos tudo pra dar certo.


Mas não deu. Nos desencontramos, seguimos caminhos opostos, cada qual na sua marcha, no seu perambular.


Mas, quem sabe (eu não), um dia você esteja lá e eu também. Você me veja e eu veja você. Talvez eu lembre, talvez não mas, com certeza, reagiremos. Afinal de contas a indiferença também é uma reação.


Oh não, não me entenda mal. Não estou dizendo que serei indiferente a você, ainda menos que o sou agora.


Digo que talvez, veja bem, talvez seja mais difícil para mim, ou para você, se lembrar. Lá pode ser muito rápido: um relance, um flash, uma foto, um fato. Pode ser muito chato: um trato, um contrato, um contato. Então (confesse que concorda comigo) podemos simplesmente não ter tempo, paciência ou oportunidade de nos lembrar. Somente, com certeza, de reagir.

Bem, pode ser que lá demore. Por hora, fico cá com minhas lembranças, meus arrependimentos, minhas culpas, meu demônios, minhas histórias, minhas vontades, minhas crônicas...


Passe bem e até lá!

Despertei real

Amanheci redundante, com um fôlego quase colérico para ser controversa.

Amanheci sedenta de palavras difíceis e de rostos contorcidos pela confusão.


Despertei em uma profusão de tratamentos essencialmente cordiais, impessoais, literários.


Por falar em literário: abri meus olhos e vi, antes de tudo, os truncamentos dos quais desviaria intencionalmente.


Hoje, acordei indisposta para o lúdico. Em vez disso, expressaria apenas o óbvio.


Ao romantismo, pedi trégua. Sei que mereço. Preterí-lo-ia em favor da pontualidade do raciocínio lógico.


Porque, hoje, me dei o direito de pensar apenas: sem emoção de qualquer tipo, sem tesão, sem 
vitimismo. Sem intimidade, sem luz, sem cor.


Hoje, finalmente, acordei para ficar acordada.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Prometer

“  Significado de Prometer
v.t.
Afirmar, verbalmente ou por escrito (que se há de fazer, dar ou dizer alguma coisa): prometer uma recompensa.
[Figurado] Prenunciar, pressagiar, fazer esperar: o tempo promete chuva.
Obrigar-se a, asseverar: prometo aparecer.
v.i.
Dar esperanças de; oferecer probabilidades de (bom futuro): esta criança promete Muito.

Prometer é uma responsabilidade imensa. Aqueles que recebem uma promessa enchem-se de esperança, que também é uma coisa perigosa.
Uma promessa pode ser feita com um olhar, um sorriso ou uma palavra. A que costuma doer mais é a promessa que vem de uma palavra pois, ninguém espera essa promessa, ninguém sabe lidar com ela. A esperança enche o peito do outro com uma força arrebatadora, deixa o outro sem ar, sem chão e a única coisa que há para segurar é a promessa. No momento em que ela é articulada em palavras, a pessoa deixa de perceber a verdadeira intenção do outro, deixa de perceber os olhos brincalhões, o sorriso cético e os trejeitos debochados, desconecta-se de tudo aquilo que soa como um alarme aos olhos de um espectador atento.
As promessas podem parecer bobagens para aqueles que as faz, mas, nunca será bobagem para aqueles que a ouvem. Isso deixa a o ouvinte em um estado de torpor, leveza, alegria e ansiedade.
Uma promessa feita como que sem querer, ou com carinho, têm sim o poder de deixar alguém feliz, por dias, anos, até que esse alguém entenda que essas promessas não são nada mais que uma frase qualquer, dita na empolgação de uma boa conversa, ou na tentativa desesperada de mudar de assunto. Todos nós já fizemos promessas para alguém que conhecemos numa loja, ou para um amor perdido.
Promessas são feitas a cada minuto e aqueles que as fazem não tem a mínima ideia do que ela despertou no ouvinte, da enxurrada de emoções que passou por ele enquanto tentava imaginar um jeito de responder à altura, tentando mostrar indiferença. Mas a indiferença é um assunto para um outro texto.
Deixe de prometer qualquer coisa. A vida fica mais leve, o sorriso mais aberto e o coração mais alegre. Se tiver vontade, faça. Você não precisa de promessas para conseguir algo, precisa apenas desse seu sorriso que reluz. Prometer algo sem a intenção de cumprir, é o mesmo que arrancar e despedaçar o coração do outro. Seja feliz com aquilo que você tem e é, não finja sentimentos, não faz bem a você e nem aos que lhe querem bem.
Não acenda uma chama que você não pode controlar. Como dito anteriormente, a esperança é um sentimento muito perigoso.”

- Grandini, Vitória Cristina


Mais conteúdo da autora em

Essência

"Ao abrir os olhos nessa manhã, enxerguei a imensidão que é a vida e quão pequena é minha existência.

Fechei os olhos novamente e perguntei ao universo qual o motivo de eu ter acordado hoje.

Por instantes naveguei em pensamentos, e abri os olhos novamente: estava no modo essência, logo acima do meu corpo. Observei-me de perto - eu estava chorando.

Era tão normal quando eu estava lá dentro com ele. Aqui do lado de fora parecia tão triste me ver assim. As lágrimas escorregaram pela minha bochecha, estiquei as mãos para aparar, mas minha essência não tem toque.

Vi meu corpo morder os lábios e apertar o peito. Será que eu estava sentindo minha falta?

Olhei o espaço em volta. Comecei a subir. Agora estava enxergando o telhado da minha prisão. Fui me afastando cada vez mais. Vi as ruas do bairro. Logo vi o mesmo se perdendo na grandeza da cidade. Lá estava o estado de São Paulo inteirinho. Um avião passou do meu lado, e me permiti sorrir ao deparar-me com uma menininha de olhos castanhos olhando as nuvens e gargalhando de alegria. "Ela está sabendo viver" - pensei.

Quando, por fim, decidi ficar por aqui e acabar com a dor do corpo que havia ficado lá em baixo, lembrei-me de alguém que fazia de meus nove dias tristes insignificantes quando o via.

Sorri.

Desci numa velocidade absurda, passei por dentro de um gavião, acho que ele sentiu minha presença. Estranho. Vi os prédios se aproximarem de minha visão, as ruas se formando, as bifurcações ficando nítidas.

Cheguei.

Levantei minha mão, pronto para bater naquela janela do décimo quinto andar, mas quem estivesse do outro lado não escutaria, de certo modo.

Fechei os olhos e pedi perdão aos meus princípios. Atravessei aquela parede e logo fiquei de joelhos ao lado daquela cama.

A boca dele estava um pouco aberta, sua respiração era pesada. Estava de calça jeans, por certo, estava tão cansado que nem trocou de roupa.

Continuei ajoelhado. Tentei arrumar suas sobrancelhas que estavam bagunçadas. Mas meu toque não fazia efeito. Dei um sorriso torto.

Levantei, aproximei-me da parede. Era hora de te deixar em paz. Visualizei pela última vez seu pé para fora da cama com uma meia branca quando, de repente, algo brilhou ao lado de sua cabeça. Franzi a testa e fixei meu olhar na tela do seu smartphone. Era uma notificação de mensagem no aplicativo do WhatsApp.

Se eu dependesse de respiração para continuar ali, por certo não mais estaria.

Estava confuso. Era meu nome na tela do celular. Como? Eu estava aqui.

"Acordei estranho, Vida. Parece que passei a noite num universo paralelo, mas ao mesmo tempo dependia dessa realidade aqui. Enfim, desculpa lhe mandar mensagem essa hora. Beijo".

Será que alguém estava mexendo no meu iPhone? Impossível. Era exatamente daquele jeito que eu escrevia.

Atravessei a parede e fui voando para casa. Eu queria chorar. Mas a essência não chora. Chora?

Vi o telhado e desabei como um iceberg ao lado do meu armário. O celular estava nas minhas mãos, mas meus olhos continuavam fechados.
Minha face estava banhada de lágrimas. De certo modo eu estava sofrendo lá dentro.

Deitei sobre meu corpo. Senti um tremor, sabia que estava de volta, mas continuei com meus olhos fechados.

Respirei, abri lentamente os olhos e digitei a senha do celular. Logo abaixo da minha mensagem, que tinha lido a pouco naquele apartamento, havia uma resposta:

"Ah Vida, não acordei por causa da notificação, mas, sim, porque senti sua mania besta de arrumar minha sobrancelha. Mas me conte, eu estava nesse universo paralelo?"

Respirei fundo. Eu sabia porque tinha acordado aquela manhã.
E sabia porque deveria acordar todas as outras."



- Lima, Luhran


Sobre o autor em:

FACEBOOK: https://www.facebook.com/profile.php?id=100005587661995&fref=nf
INSTAGRAN: @luhranlima
INSTAPAGE: @coisasdelucas
INSTAPAGE: @preconceitoliterario


terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Felicidade

Você é capaz de contar quantas chances já teve de ser mais feliz?

Todos os dias. Em todos os dias da sua vida, até agora, você teve a chance de ser mais feliz.

Porque a felicidade não está nas coisas, está em você. Todas as manhãs, ao despertar, a felicidade desperta também; ao receber a consciência, a felicidade é engatilhada.

Sabendo disso, quantos tiros você já deu? Ao longo da vida, quantas vezes a felicidade na agulha de sua consciência foi disparada?

Faça isso hoje. Ela ainda está aí.

Respire fundo, sorria com seu melhor sorriso e mire para si mesma! Atire! Dispare toda essa felicidade incubada em você.

E não se preocupe em guardar um pouco para amanhã. Despeje. Derrame. Descarregue toda essa felicidade. Ao se deitar, esteja em paz: a felicidade é recarregada em você automaticamente e numa proporção completamente diferente da energia.

Sim, você pode acordar com pouca energia, mas, jamais acordará com pouca felicidade. Dispare de novo e de novo, todos os dias.

Mire em você. Sempre, mire em você. É um suicídio diário. A felicidade é um suicídio, um risco que se corre do começo ao fim da vida. O melhor risco que você pode correr! Suicide-se.

E não se preocupe com os outros. Atire felicidade em si mesma. Deixe os outros. Sabe, aqueles que estão perto o suficiente, por vezes, acabam sendo atingidos também. (Bala perdida). E, se quer saber por que não disparar nos outros, veja bem, não se trata de egoísmo. Como foi dito, a felicidade é suicídio: não é algo que se possa decidir por alguém. Além disso, se o outro estiver muito longe, você corre o risco de errar o tiro. (Bala perdida).

Todos os dias, de todos os dias da sua vida, seja mais feliz!
Com o passar do tempo, a felicidade evolui. Você evolui e evolui suas técnicas, mas não se apegue a elas. A felicidade está em você e você mudará. Todos os dias, de todos os dias da sua vida, você mudou. E mudará. A felicidade em você acompanhará.

Assim, não ache estranho se o que te fizer feliz hoje não surtir o mesmo efeito amanhã. Você evoluiu, avançou um nível e, então, sua felicidade estará mais complexa, amadurecida e forte. Aproveite!

Ela também tende a crescer. Com todos esses suicídios diários, seu ser fica limpo e renovado, propício para o crescimento. Você crescerá. A felicidade em você acompanhará.

Todos os dias, de todos os dias da sua vida, você será ainda mais feliz! Dispare! Dispare!

A felicidade não está nas coisas, está em você!

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

O típico garoto

Ele é o típico garoto proibido; daqueles por quem nenhuma garota devia se apaixonar, mas todas se apaixonam.
Quem pode culpá-las? É quase impossível não ser atraída pelo magnetismo que parece emanar dele, como o de um Buraco Negro, puxando tudo para perto de si.
No meu caso foi a voz: pareceu firme, decidida e cheia de verdades – inteligente até. Aquele tom grave e risonho deu a impressão de ter tanta coisa para dizer. Foi quase impossível não fixar o olhar nele e, em vez disso, contentar-me com um leve soslaio para checar de quem se tratava.
Primeiro fato: nada nele poderia ter me atraído se tivesse permanecido quieto. Alto, forte, com curvas muito bem delineadas na camiseta justa demais para seus músculos rijos. O tipo “garoto de academia” não é meu predileto; jamais teria me chamado a atenção de boca fechada. Mas manteve-a aberta, deixando fluir palavras inteligentes e organizadas, quase recitadas, sobre algum filósofo morto e sua teoria fabulosa.
Não, fabulosa não era a palavra, ao menos não para o filósofo. Fabulosa era a palavra que eu tentava evitar, enquanto voltava meu rosto cuidadosamente para a frente. Queria que parecesse natural, uma expressão contida para combater o desejo insano de ir até lá e beijá-lo, ignorando totalmente o fato de tê-lo acabado de conhecer.
Conhecer também não é uma palavra adequada. Sequer consigo pensar em alguém capaz de, de fato, chegar a conhecer um cara como ele. Nem mesmo sua mãe, imagino, seria imprudente a ponto de dizer que o conhece. Sobre esse tipo de garoto, todos limitam-se a ter vagas impressões.
O fato é: aquele garoto me intrigou.
Ah sim, intriga é uma boa palavra. Foi um alvoroço intrigante na minha cabeça. A parte do meu cérebro onde deveria habitar o senso crítico me disse “garota, esquece. Ele deve estar dizendo essas coisas bonitas porque já passou por essa aula mil vezes. É claro que ele tem capacidade de debater com o professor, afinal, já deve ter ouvido sobre cavernas tantas vezes que decorou o discurso. Não. Afaste-se. Olhe para os músculos deste cara, ele não deve ser inteligente, garotos de academia nunca são. É apenas um repetente metido a besta”. Já a parte menos racional do meu cérebro? Bem, essa aí me manteve ocupada enquanto a outra falava. Sim, eu não prestei atenção a nada do que o senso crítico me dizia. Só prestei atenção àquela voz, e às coisas que ela dizia, e à forma como se colocava. E era lindo.
No fim das contas, ele era aquele típico garoto que não faz o menor sentido. De quem você se obriga a esperar uma coisa, sabendo quase com absoluta certeza que aquela coisa não vai acontecer.
Bem, vamos em frente.
Como esperado, ele era daquele tipo de garoto que faz amizade com todos os “caras” da sala, sem fazer nada para aborrecer as meninas. Quase todo mundo gostava dele e, quem não gostava, ao menos não desgostava. Ele era daquele tipo popular, de quem os nerds não chegam perto, os esportistas adoram e os menos afortunados em beleza e inteligência admiram e tomam como meta.
Aqueles comentários sapientes, que pareciam frases decoradas após repetir a mesma aula por três ou quatro semestres, não cessaram. Pelo contrário. Como bons vinhos, ou uísques, eles foram ficando melhor com o tempo. Bem, para ser sincera, acho que comparar com estas bebidas não é apropriado. As bebidas devem ficar guardadas, armazenadas, escondidas para apurarem e chegar ao ápice de sua qualidade. Esse garoto, definitivamente, não guardava suas palavras. Em vez disso, distribuía doses homeopáticas delas, de tempos em tempos, em momentos oportunos.
Ah céus. Elas mexiam mesmo comigo. As palavras, a voz e o cabelo. Sim, o cabelo também entrou na conta das improbabilidades daquele ser. Típico. Bem típico deste tipo de garoto ter aquele cabelo espesso, lindamente desarrumado, reluzente e teimoso. Desse tipo de cabelo teimoso que cai sobre os olhos de seu detentor, obrigando-o a fazer cara de bravo, erguer os braços musculosos, passar os dedos pelos fios, levando aquela mão linda até a nuca, lentamente, suavemente, enlouquecedoramente.
Está bem, parei. Vamos voltar.
Um dia, aquele típico garoto, de quem eu fazia um esforço enorme para me manter afastada, falou comigo. Mandou uma mensagem no meu celular. E, como não é raro, eu quis que o chão se abrisse sob meus pés e que o inferno me engolisse. Porque eu merecia ser engolida pelas profundezas do tártaro.
Sou daquelas típicas garotas que entram na sala caladinhas, com os fones de ouvido no último volume, encara algum ponto no alto da parede, diz um “boa noite” em bom tom para ninguém específico e ruma impetuosa para as cadeiras do fundo. Sou sociável e, apesar disso, do tipo de garota que se envolve com quem não se envolve. Sou amiga daquele pessoal que não gosta de bagunça, que não assiste Big Brother, que fuma escondido, adora matemática e não se interessa pela diferença entre pijama e roupa de gala: vestiu, tapou, é roupa. Ou seja, sou dessas garotas que raramente se nota, que passam despercebidas, de quem só se sabe o nome porque os professores insistem em chamar.
Pois bem, eu não estava esperando ser notada, mas, minha capacidade para ser atrapalhada e inoportuna me pôs em evidência. E ele, evidentemente, me notou. E veio falar comigo. Não foi um início agradável, claro. Eu havia acabado de pagar um mico colossal diante de quase toda a classe e era sobre isso que ele queria falar, rindo de se acabar. Me chamou de “moça”, como eles sempre fazem, apesar de saberem seu nome, e me disse outras coisas que não acrescentam em nada essa estória. Definitivamente não foi um início agradável, mas, quando se trata de mim, e desse tipo de garoto, nunca é. O fato é que, a partir deste dia, toda a mística sobre ele dissolveu.
Ele ainda parece, aos meus olhos, um maromba burro e metido a besta. Ele ainda parece, aos meus ouvidos, a voz mais sexy e inteligente que já ouvi tão de perto, mas ele não se parece nada com aquele típico garoto. É claro que, como eu disse, eles fazem exatamente o que se espera deles, sempre, mesmo que você esteja se obrigando a pensar que não farão. E é claro que eu já estou meio que esperando por isso. Mas, não posso negar, ele é uma das pessoas mais sensatas com quem já perdi meia hora do meu tempo. Mais, foi muito mais que meia hora. Há tempos, desde aquele tempo, vimos perdendo muito mais que meia hora em conversas. Algumas agradáveis e instrutivas, outras desagradáveis e emocionantes, outras solutivas, outras impregnantes; várias e várias conversas sobre todo o tipo de assunto. Apesar de não esperar isso de um maromba burro, aquele garoto nada típico me apresentou sua visão de mundo e ela me pareceu tão realista, tão lógica, que me atraiu.
Já não bastasse a voz, a sapiência, o cabelo e as mãos, passei a ser admiradora da visão de mundo dele, mesmo considerando que o mundo dele é absurdamente diferente do meu, como se nem vivêssemos no mesmo planeta. Aquele garoto me pareceu muito racional, de maneira que, sob a óptica dele, viver parecia uma ida ao supermercado e, da minha, parecesse um revés psicodélico permanente no espaço-tempo.
Como o bom e velho “cara legal” que ele parecia, em algum momento, ele foi introduzido no meu círculo e amigos. Como sempre acontece com esse tipo de garoto, ele tinha assunto em comum com todo mundo. Ele joga os mesmos jogos que um, fala a mesma língua estrangeira que outro, gosta das mesmas bebidas que outro, tem habilidades que alguém ali também tem e, claro, para combinar comigo, tem problemas emocionais e de convivência social (pasmem).
Dia após dia, desde então, desde aquela fatídica conversa sobre cavernas, desde que aquela mensagem chegou ao meu telefone, desde que notei que ele tem um piercing na língua, desde que ouvi a voz dele cantar minha música predileta, desde que dividi com ele parte dos meus segredos e ouvi dele coisas que me fizeram chorar, desde que passei uma noite sem dormir porque ele não estava bem, desde que comecei e não parei mais de desejar que coisas boas acontecessem para ele, desde então, o magnetismo extrafísico daquele típico garoto não parou de me atrair para dentro dele.
Ele é aquele típico garoto completamente apaixonante, por quem não se deve apaixonar.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Carta para ele

Não sei se você sabe qual a sensação de enlouquecer. Eu sei. É estranho, muito estranho. Seus pensamentos se atropelando, todos misturados, tentado passar ao mesmo tempo pelo espaço entre seus olhos. Parece uma alusão estranha, mas é assim que me sinto quando penso em você.
É enlouquecedor pensar no quanto eu quero te convidar para ir lá em casa falar com meus pais, pedir permissão para me namorar e essas coisas. Pensar que você é um dos caras mais espetaculares que já conheci na vida e que não tem nada em você que eu não goste. Quando procuro algum defeito, vem em mente sua falta de pique para algumas coisas, mas, ao mesmo tempo, vem a realidade sobre isso: mesmo quando você parece não ter pique para propor algo, aceita o que proponho; mesmo quando não parece querer de verdade sair por aí e rir de tudo, você me olha daquele jeito fofo e aceita fazer isso por mim.
Adoro o jeito como você me olha. Como se estivesse olhando para o céu, fixando uma única estrela que, apesar de ser a menor de todas, é a estrela que mais lhe agrada. Aliás, é exatamente como uma estrela que eu me sinto quando estamos juntos. Vejo como me trata e me parece um daqueles fãs malucos que fariam qualquer coisa pela estrela deles.
Por outro lado, vem o choque. Meu coração dizendo que sou louca de se quer propor coisas desse tipo. “Como assim ‘ir a sua casa te pedir em namoro’? Ficou louca, mulher? Você não sente nada por ele. Vai fazer o que depois disso? ”. É estranho e enlouquecedor pensar que ele está certo. Porque é como eu sempre digo: precisa haver um equilíbrio, ou mínima concordância, entre o que o coração sente e a cabeça quer. Apesar da pessoa incrível que é e de todo o carinho que me dá, no fim, meu coração ainda fica parado quando penso em você. Minha mente faz um redemoinho, mas meu coração parece pedra. Uma pedra imóvel e fria como gelo.
E aí, começam a passar pela minha cabeça todos os caras que vieram antes de você. Não parece ser muitos se eu citar aqueles com quem namorei, ou tive algum tipo de relacionamento sério, ou aqueles que assumi para os amigos, ou para a minha família. Mas são muito sim. Muitos mesmo, considerando que se atropelam todos os caras por quem já me interessei.
Não sei se já te disse isso (porque é uma coisa sobre a qual eu costumo desabafar com os amigos), mas, sou do tipo de pessoa que se apaixona rápido demais. Rápido mesmo, rápido do tipo “uma viagem de ônibus até o Centro”. Sou o tipo de garota, supernormal, que cria histórias de vida com o cara que está na sua frente, na fila da padaria, ou sobre aquele guri bonitinho que desceu do metrô na estação anterior. Sou o tipo de garota que se apaixona por uma conversa boba com o amigo de um amigo, que trombou com a gente quando saíamos do cinema. Sou o tipo de garota maluca que liga para um número qualquer e se apaixona pela voz do cara do outro lado, imagina qual a cor do cabelo e olhos dele, o que ele deve vestir para ir ao trabalho e quanto tempo ele aceitaria me esperar no dia do casamento.
Não são os caras da padaria e do metrô que passam na minha cabeça nesse momento, mas, todos os amigos de amigos, colegas de escola, caras da igreja e gente por quem me apaixonei durante a vida. Paixões significantes de alguma maneira. Paixões que me fizeram aprender lições, paixões que me levaram a reforçar meus critérios de busca, de caça, ou seja lá o nome que se dê a isso. Todos esses garotos e homens passam pela minha cabeça ao mesmo tempo. Sem ordem, sem esperarem uns pelos outros, atravessam trôpegos aquele espaço entre meus olhos.
E é nesse momento que meu coração se manifesta: “está vendo aí, sua maluca? Acha que dá para colocar mais alguém nessa bagunça? Não tem espaço nem para você na sua vida, como quer colocar esse cara? ”.
Um caos. Um caos completo e alucinante, que dura apenas alguns segundos, mas é suficiente para me tirar do eixo. Mais que suficiente para me dar náuseas e tontura.
Eu sei o que você vai dizer. Vai dizer que preciso resolver essas coisas. Sim, preciso mesmo. Mas não consigo. Não sou boa em organizar as coisas, nunca fui e nunca serei. Tudo que sei é acumular. Não guardo tudo de todas as minhas relações de amor e ódio, mas guardo memórias suficientes para endoidar quando resolver pensar nelas.
Esse texto devia ser pequeno. Quando comecei, só queria dizer que não consigo mais manter nossa relação. Mas é o caos. Esse caos que me enlouquece e me faz perder as medidas, o senso de proporção. Eu só precisava dizer que, a partir de hoje, voltamos a ser amigos se você concordar e, caso não concorde, passaremos a ser dois estranhos.
Caso queira ser meu amigo, preciso te avisar, vou agir como se jamais tivesse beijado sua boca, ou colocado as mãos dentro da sua camisa. Tenho esse dom, o dom de ignorar tudo que não me convém. Mesmo que você me olhe saudoso, vou te olhar como se não estivesse notando nada. Passarei por cima de tudo com uma facilidade assustadora. Porque é assim que eu funciono.
Do contrário, se decidir que manter a amizade não é tão fácil para você quanto é para mim, vou seguir em frente sem você. Vou te ignorar em todos os lugares. Se nossos olhares se cruzarem em algum momento, em qualquer que se seja o ambiente, tenho a capacidade de fingir que não vi, atravessar seus olhos com os meus e mirar um horizonte qualquer atrás de seus ombros. Por favor, nesses momentos, não sorria, porque não sorrirei de volta e isso pode ser bastante doloroso.
Já tentamos fazer isso pelo menos unas cinco vezes, não é? Seguir em frente sem os bônus dessa nossa amizade maluca? Sim. Mas, agora, é diferente. Porque estou determinada a não entrar mais em colapso cada vez que penso em dar um passo em frente na minha vida. Não é você, como eu sei que vai dizer, é a situação. Adoro ficar com você, mas não gosto da situação. Não estou bem, não estou pronta, não estou disposta a manter um relacionamento.  Seja com você, seja com qualquer outro ser na terra, não estou disposta a arriscar. Trancafiei meus sentimentos em alguma cela funda demais aqui dentro. Não tenho disposição para desenterrá-los, não tenho disposição para nada. Quando digo que preciso ficar sozinha, é sozinha como deitar na areia, com o chapéu no rosto, com a água batendo nos pés e o vento nos cabelos, sem hora para sair do sol, sem hora para comer, sem hora para abandonar a contemplação de mim mesma. Preciso ficar em silêncio, preciso ouvir meu caos e tentar entender o que ele quer me dizer, atendê-lo e me ver, finalmente, livre dele. Livre do caos e do medo.
Ando sentindo tanto medo. Medo de tudo. De coisas que nunca tive medo na vida. Mas, sobre todos, estou com medo da solidão. E é esse medo específico que eu quero enfrentar agora. Quero ficar só para enfrentar o medo da solidão. Quero provar para mim mesma que não há nada de errado em estar sozinha, nada de errado com ouvir a si mesma. Não há nada de errado em sonhar, em deitar a cabeça no travesseiro e sucumbir ao sono, acordar em paz e viver naturalmente.
Quero romper o que temos porque isso está me distraindo. Nossa relação é como um tapete, sob o qual estou escondendo toda a sujeira de que não quero me livrar.
Para mim já chega. Sou do tipo que vive tudo intensamente, com cada parte de si, que se entrega de olhos fechados às experimentações propostas pela vida e, não estou me reconhecendo. Definitivamente não há cem por cento de mim nessa relação.  Não tem quase nada de mim nessa relação. Isso não está equilibrado, há muito de você e quase nada de mim. O desequilíbrio pode não parecer um problema agora, mas, certamente será quando os ventos nos alcançarem. Não há nada mais nocivo para um relacionamento duradouro que o desequilíbrio.
Decida o que quer dentre as opções que te dei e me avise. Estou pronta para tudo e, sinceramente, nada preocupada com sua prontidão. Preciso lidar comigo e não sou capaz, no momento, de lidar com você.

Te adoro!